AUTISMO E DEPRESSÃO – Quando alguém não se encaixa no mundo

AUTISMO E A DEPRESSÃO – quando alguém não se encaixa no mundo

Por Fatima de Kwant

Holanda, 13 de maio, 2021

 

 

“ Ninguém me entende… Ninguém presta atenção no que eu falo, só COMO eu falo…”

“ Qual o sentido da vida?… Tudo que eu tento dá errado. Eu não me encaixo nesse mundo.”

“Tem tanta coisa na minha cabeça, mas eu não sei explicar…Todo mundo pensa que eu não penso nada…”

A depressão atinge uma grande parte de pessoas autistas. É provável que isso se deva ao número de experiências negativas dos autistas na infância e adolescência, por exemplo, com o bullying, e a ciência de ser diferente dos outros sem (nem sempre) saber por que.

A depressão não é fácil de ser diagnosticada na pessoa autista porque muitos sinais de autismo e sintomas de depressão podem se fundir em alguma no indivíduo em alguma fase da vida. Por exemplo, falta de iniciativa e isolamento social (por opção ou não). Muitos encontram dificuldade de expressar ou analisar suas emoções e sentimentos, o que pode dificultar na identificação da depressão por pais e professores.

AUTISMO E DEPRESSÃO – estudo sueco

Um estudo sueco (2018) em larga escala – 223.842 mil pessoas neurotipicas e 4.073 mil pessoas autistas, das quais, três mil sem deficiência intelectual(DI) , e 1000
com DI) -, publicado no JAMA Network Open, mostrou que a depressão ocorre 20% em pessoas autistas contra 6% em pessoas sem autismo.

Outro fato destacado na pesquisa é o de metade dos autistas sem DI terem recebido o diagnóstico TEA durante a busca em tratar a depressão.

 

SINAIS DE ALERTA

Pais e professores podem ajudar o autista observando se há mudança de comportamento, e se esta pode indicar depressão, como quando se isola (ainda) mais ou tem (mais) problemas para dormir, perde o interesse num hiperfoco ou passa a se automutilar.
A depressão no autismo também pode aumentar as manias, irritabilidade, e os stims (estereotipias). Em alguns casos mais graves, a depressão pode ocasionar uma regressão no desenvolvimento, e até ideias suicidas.

A depressão no autismo costuma ocorrer em autistas com um coeficiente de inteligência alto, possivelmente, por estarem cientes de suas diferenças em relação aos pares sem autismo, o que pode gerar pensamentos sombrios. No entanto, Depressão também pode ocorrer em autistas moderados ou severos. No caso, a hiperatividade cerebral e a precária cognição podem trazer muita ansiedade e dificuldade de controlar impulsos (agressividade), isolamento e, por conseguinte, trazer depressão.

Converse sobre os sintomas com o psiquiatra e (neuro)psicólogo. Este irá indicar um tratamento individual que pode incluir: Terapia comportamental cognitiva, Mindfullness, Neurofeedback e sessões de Coaching com terapeuta especializado.

Fonte consultada: JAMA NETWORK OPEN – https://jamanetwork.com/journals/jamanetworkopen/article-abstract/2698632

Intituto Pensi – https://www.google.com/amp/s/institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/risco-de-depressao/amp/

Sobre Fatima de Kwant

Fatima Kwant is an autism advocate, author of autism related articles, and creator of the International Autimates Project - Overcoming Prejudice with Information. She is a Brazilian journalist leaving in the Netherlands with her family. Her youngest son, 18 years old has autism and formerly diagnosed as severe autistic. Recently this diagnose has been withdrawn. Fatima is also an expert in many aspects of the Autism Spectrum, especially Autism & Development.