MORADIAS OU RESIDÊNCIAS ASSISTIDAS – a busca pela independência dos autistas

 

 

Holanda, 15 de junho, 2018

 

Por Fatima de Kwant

 

Moradia Assistida BW Oostpolder, Papendrecht, Holanda

 

O artigo ilustra uma das Moradias (ou Residências) Assitidas mais relevantes da Província Sul, na Holanda, onde este tipo de opção de residência para pessoas dentro do TEA – Transtorno do Espectro Autista – já são comuns há duas décadas.

 

A Moradia BW Oostpolder, sob a direção de Richard Bubberman, é um exemplo de local para autistas entre 18 e 40 anos que apresentam um nível de independência baixo a moderado, independente de sua capacidade intelectual.

 

Independência – um bem que não é de todos

Um dos bens reservados aos adultos é a sua independência, seja esta financeira ou não. Viver só, trabalhar fora, cuidar de si mesmo, pagar as próprias contas, organizar a casa, fazer compras, pareparar uma refeição, limpar, lavar as roupas, colocá-las nos armário, duchar-se, cuidar da higiene, e mais, são tarefas automáticas paraa maior parte dos adultos. Porém, para muitos adultos com autismo, não. Alguns autistas adultos, incluindo alguns autistas leves, ainda não têm a capacidade de viver só sem ajuda para algumas das tarefas citadas acima, imprescindíveis para serem categorizadas como “independentes”.

Não há nada de mal nisso. Os autistas, principalmente os não severos, podem conseguir a desejada independência, mesmo quando não é automática.

Para este grupo também existe uma boa opção: a Moradia Assistida.

 

 

BW Oostpolder – trabalhar pela independência dentro de um ambiente seguro

Na cidade de Papendrecht, encontra-se uma das Moradias Assitidas mais bem equipadas de toda a Holanda. Esta locação faz parte do Centro de Referência para Autistas Yulius, com mais de 75 unidades a atender todas as necessidades de uma pessoa com TEA, de 0 a 99+. Educação, Tratamento médico, Terapias, Moradia Assitida, e tudo o que uma pessoa com autismo necessita durante toda a vida.

No bairro Oostpolder, a Moradia Assistida se propõe a receber pessoas com mais de 18 anos cujo diagnóstico (principal) seja TEA, e a incapacidade (temporária) de morar só. O foco é estimular a sua independência para que, no futuro, seja capaz de morarem sozinhos.

A Moradia comporta 50 apartamentos. Os moradores têm um próprio apartamento com quarto, cozinha americana (integrada com a sala de estar), sala, banheiro com ducha e pia, banheiro “toilet” (com vaso sanitário e pia), e instalação para máquina de lavar.

 

Em três andares existem salas onde os moradores podem usar ao mesmo tempo. No térreo, há salas de recreação conjunta, onde os moradores podem passar seu tempo livre.

 

 

 

Um dia Útil

Nem todos os moradores conseguem trabalhar ou seguir um estudo. Alguns, inclusive, têm dificuldades ainda maiores, no que diz respeito à ocupação do tempo.

Para os moradores que têm dificuldade em ocupar seu tempo, existe a possibilidade de fazerem atividades diárias, sob a supervisão de profissionais. Entre estas atividades está atividades na cozinha, ou cantina. Ou então, a ajuda dos profissionais da Moradia para que o morador encontre uma atividade prazeirosa para si, fora da Moradia.

 

O Bw Oostpolder ajuda adultos (18+) com autismo que, devido a suas limitações, procuram estabilidade e/ou apoio, a caminho de sua independência. Este tipo de Moradia Assistida oferece aos moradores um abrigo seguro dentro da Moradia Protegida.

Também existe a possibilidade de apoiar os clientes na própria residência, por meio do Acompanhamento Individual. Juntos, o acompanhante e o cliente trabalham para aumentar a independência e a participação na sociedade do cliente.  

 

 

Plano de Apoio

Na Moradia Assistida BW Oostpolder, os moradores podem contribuir ativamente no Plano de Apoio (parte do trajeto traçado para o morador, no momento de entrada na Moradia) para que venham a morar sós, algum dia. Este plano é feito em conjunto com o morador e/ou seus cuidadores (família, tutores, etc.). O plano é avaliado anualmente tal que, juntos, possam evaluar se os objetivos foram alcançados.

  

 

Tratamento

A Moradia mantém contato com uma clínica da família. Em muitos casos, além do apoio na Moradia, e necessário ter o apoio clínico para eventuais problemas de ordem psicossocial. Geralmente são médicos do próprio Centro Yulius. A família e os cuidadores são incluídos em todas as conversações sobre este trajeto.

 

Acompanhamento Individual

Para os clientes que já moram sós, há acompanhamento ambulante na região. Os profissionais do time de acompanhamento ambulante são especializados no apoio e acompanhamento de pessoas com autismo, em suas casas.

 

Richard Bubberman

 

“ NBW Oostpolder as pessoas com autismo aprendem a ser independentes. Eles encontram aqui um bom apartamento, num local tranquilo, onde são tratados individualmente com base nas suas possibilidades e chances. Podemos notar ótimos resultados deste esforço em conjunto!”
 
   –Richard Bubberman, diretor

 

Indicação

Para fazer uso da Moradia Assistida é necessário que o morador tenha uma indicação para o Wmo – Wet Maatschappelijke Ondersteuning (Lei do Apoio Social). Esta indicação é conseguida através da Prefeitura após avaliação de um time de profissionais ligados da Câmara Municipal de cada cidade holandesa. A avaliação pode durar entre poucos meses até dois anos, dependendo do grau de complexidade de cada caso. É a prefeitura que se responsabiliza pela avaliação de uma pessoa com autismo e estabelece o melhor e mais adequado tipo de ajuda que ela necessita. Leia mais sobre o WMO e políticas públicas aqui.

Yulius oferece saúde a pessoas com problemas de origem psicossocial. Dentro da divisão Saúde para a Comunidade, todas as atividades referentes à saúde da pessoa autista é acoplada às necessidades da comunidade onde a Moradia se encontra.

O Centro de Referência trabalha junto com os próprios clientes, suas famílias, e com a comunidade onde mora, a fim de dar-lhes perspectiva. Desse modo, está constantemente em busca de equilíbrio entre limitações e possibilidades das pessoas com um Transtorno do Espectro Autista.

 

 

*Fatima de Kwant é jornalista, mãe de um rapaz autista, especialista em Autismo, Desenvolvimento & Comunicação. Radicada na Holanda desde 1985, tornou-se ativista pela causa do autismo em 2011. No momento, seu foco é na implementação das Moradias Assitidas no Brasil.

 

Redes Sociais:

Instagram: FatimadeKwant

Facebook: www.facebook.com/AutimatesBrasil www.facebook.com/Autimates 

  1. D Fatima de kwant nalista peco que. Me ajude a fazerem uma moradia assistida em portugal no algarve pois tenho um menino autista com 19anos e sofremos muito com distancia espero esta mensagem chegar alguem que nos ajude

  2. Ótimo texto. No Brasil, essa iniciativa das Moradias Assistidas, dificilmente partirá do poder público. Aqui, até o cuidado dos mais idosos e dependentes de auxilo, o governo já delegou para as instituições privadas. O Brasil é um país rico em recursos, mas pobre em princípios morais e é o que gera uma má gestão pública. Aqui no Brasil, é preciso que Instituições Privadas (Integras e Competentes) operacionalize esses modelos de Moradias Assistidas e que se cobre do Governo algum repasse financeiro, principalmente para as famílias menos favorecidas. Gratidão!